A evolução do tratamento de pedras nos rins

A evolução do tratamento de pedras no rim
A evolução do tratamento de pedras no rim

Dizem que a maior dor que uma pessoa sentirá na vida provavelmente será provocada por uma crise de cálculo renal, ou como é mais conhecida, “pedras nos rins”. E calcula-se que a cada 10 pessoas, pelo menos uma passará por uma crise de pedras nos rins ao longo da vida. Por sorte, a evolução do tratamento de pedras nos rins tem ajudado cada vez mais pessoas a sofrerem menos com esse mal e também desse mal. Saiba tudo sobre pedras nos rins: o que causa, como prevenir, como diagnosticar e como tratar.

O que causa pedras nos rins?

O cálculo renal surge quando substâncias que deveriam ter sido eliminadas do corpo pelo sistema urinário se acumulam nos rins, formando massas de cálcio que transformam em pedras. Essa situação é provocada principalmente pela combinação de uma alimentação rica em sal com pouco consumo de líquidos. Hoje em dia o problema tem se agravado ainda mais por causa do alto consumo de produtos industrializados. Outras causas para esse problema são: obesidade, sedentarismo, diabetes, e há ainda a influência genética. É importante ressaltar que nos períodos mais quentes do ano há uma maior chance de desenvolver pedras nos rins.

Como prevenir pedras nos rins?

Manter os seus rins saudáveis tem muito a ver com manter a sua urina saudável. E para manter a urina saudável, é preciso cuidar do que entra no seu corpo, além de, é claro, beber água o suficiente para que o sistema urinário consiga cumprir a sua função de limpar e eliminar as toxinas do corpo. Quando isso não acontece e os rins passam a não conseguir excretar certas substâncias, formam-se as temidas pedrinhas.

A melhor forma de prevenir pedras nos rins é através de cuidados como: tomar muita água e sucos de frutas cítricas, reduzir o consumo de sal e de carne vermelha, e praticar exercícios físicos. Em resumo: levar uma vida mais saudável.

Como é o diagnóstico de pedras nos rins?

O maior problema no diagnóstico é que ele só acontece quando a crise começa. Caso o paciente não faça um acompanhamento periódico da saúde renal, com exames de imagem e outros, ele só saberá que tem pedras nos rins quando a dor começar. E a dor inicia quando as pedrinhas que estavam nos rins procuram por uma saída natural e começa a se mover em direção à uretra.

Quais as novidades no tratamento de pedras nos rins?

As novidades no tratamento de pedras nos rins buscam tornar a eliminação das pedras um processo menos doloroso e menos invasivo. É que a única solução definitiva para o problema é a eliminação completa das pedras. Antes, o tratamento envolvia até mesmo cirurgias abdominais, mas hoje, com o avanço da tecnologia, há opções bem mais interessantes para o médico e para o paciente.

A fragmentação com laser (ou litotripsia renal) , por exemplo, utiliza um dispositivo chamado ureteroscópio para disparar ondas de laser que fragmentam as pedras em pequenos pedaços, facilitando a sua saída natural pela uretra nas próximas vezes que o paciente urinar ou ainda com o auxílio de pinças especiais.

As vantagens desse método são o curto período de internação e de recuperação. A desvantagem é que a litotripsia é recomendada para o caso de cálculos menos, que meçam até cinco milímetros de diâmetro. O procedimento somente deve ser realizado por cirurgiões especializados.

A melhor solução é a prevenção

Parece improvável que alguém que tenha passado por uma crise de pedras nos rins uma vez não passe a tomar todos os cuidados para que a situação não se repita, mas a verdade é que os casos de reincidência são muitos. E mesmo com a tecnologia a nosso favor, é melhor prevenir do que remediar, não é? Por isso, é fundamental procurar investigar a fundo quais as causas da formação de cálculos renais no seu organismo para entender qual os melhores caminhos para a prevenção.