Balão intragástrico

O balão intragástrico ou balão gástrico (BIB) é um método para tratar a obesidade, não cirúrgico e não farmacológico, que produz uma perda de peso de 15 a 20 kg em apenas 6 meses e é destinado a qualquer tipo de obesidade.

O procedimento é bastante simples e envolve a introdução de um balão de silicone no estômago, que é, então, preenchido com cerca de 500 cc de soro fisiológico. O balão intragástrico, ou balão gástrico, é inserido através da boca com uma câmera de endoscopia sob sedação. O processo demora cerca de 15 minutos, e o paciente pode voltar pra casa pouco depois. O balão intragástrico em silicone (um composto inerte) não produz qualquer efeito adverso no meio gástrico.

O balão intragástrico permanecerá no máximo por 6 meses dentro do estômago, e a remoção do mesmo é semelhante à sua introdução.

Durante cerca de 2 a 3 dias, é feita a adaptação do estômago ao balão intragástrico.

Quais são as vantagens?

A grande vantagem deste método é que, com a sensação de estômago saciado, o paciente terá menos fome (apetite), causado pelo menor volume gástrico disponível para os alimentos. Deste modo, a quantidade dos alimentos será reduzida, o que faz com que o paciente consiga perder peso sem esforço. Não existem contraindicações e nem tipos específicos de alimentos que podem ser ingeridos.

As clínicas que realizam este tratamento dispõem de uma equipe composta por médicos, nutricionistas e psicólogos que fazem o controle rigoroso do paciente durante todo o tratamento. O ponto principal para atingir ótimos resultados é conseguir reeducar o paciente obeso nos seus hábitos físicos e nutricionais. Toda essa reeducação e aprendizagem alimentar irá ajudar o indivíduo a manter, ou mesmo continuar com a perda de peso depois de retirado o balão intragástrico. Após o tratamento, terá que realizar apenas algumas consultas de inspeção periódica.

O tratamento com balão intragástrico ou balão gástrico já é aplicado com sucesso no tratamento clínico da obesidade em vários países, como Inglaterra, Portugal, Bélgica, Holanda e principalmente o Brasil. Vários estudos realizados concluíram que os resultados obtidos através deste método são bastante positivos, atingindo-se, assim, uma perda significativa de peso. As experiências clínicas mostram que dois terços dos indivíduos tratados perdem cerca de 20kg durante o tratamento com o balão intragástrico, e continuam a perder peso mesmo após a retirada do balão.

Pode aplicar-se em qualquer caso de excesso de peso?

A aplicação indiscriminada do balão intragástrico não é recomendada, pois envolve certos riscos. Só é aconselhável se houver uma falha repetitiva nos tratamentos dietéticos, farmacológicos e na modificação de comportamento. Nesta situação, o balão intragástrico pode ajudar a quebrar o círculo vicioso de uma pessoa incapaz de manter um regime contínuo.

O que pode causar problemas no balão intragástrico?

A aplicação de um balão intragástrico é uma técnica delicada, e o paciente deve conhecer bem os riscos, complicações e problemas que este envolver:

–  Problemas na introdução ou remoção, lesões esofágicas ou gástricas.
–  Desconforto pela presença do balão intragástrico no primeiro dia após a sua introdução, caracterizada por dor no estômago, náuseas e vômitos frequentes. Recentemente foi aplicado um protocolo terapêutico para minimizar estes inconvenientes.
–  Ao longo do tempo, o balão intragástrico pode ser esvaziado (romper), e por este motivo, é importante que ele não permaneça mais de 6 meses dentro do organismo. Os sintomas de esvaziamento podem incluir urina azul e, excepcionalmente, dor de estômago, náuseas e vômitos, se o balão intragástrico fechar a passagem do intestino. Neste caso, provavelmente terá de ser realizada uma cirurgia para remover o balão gástrico.
–  Pode desenvolver gastrite ou úlcera do estômago. Deve ser rotineiramente prescrito um protetor gástrico.

O sucesso da técnica do balão intragástrico dependerá, em pelo menos 50% dos casos, da dieta que o paciente seguir e da sua tolerância ao procedimento nos meses que se seguirem à introdução. O objetivo está estimado em fazer perder cerca de 10% do seu peso em 6 meses. Como resultado, são reduzidos todos os riscos para a saúde decorrentes da obesidade, especialmente a hipertensão, dislipidemia e o diabetes. Se quiser perder mais peso, será menos difícil de tolerar uma dieta de baixas calorias. Em princípio, recomenda-se 800 a 1000 calorias durante o primeiro mês, e cerca de 1200 calorias depois disso.