Março: mês de conscientização sobre o câncer colorretal

30 de agosto de 2017

No Brasil, cerca de 34 mil pessoas são atingidas todos os anos pelo câncer de cólon ou de reto, que é mais conhecido como câncer colorretal ou câncer do reto. Os acometidos são, em sua maioria, mulheres e homens de meia idade: entre 60 a 64 anos. Segundo uma pesquisa do Journal of The National Cancer Institute, a chance de ter câncer colorretal é 50 vezes maior do que o dos jovens. Nas mulheres brasileiras, ele é o segundo câncer mais incidente e entre os homens, o terceiro.

Março: mês de conscientização sobre o câncer colorretal

O que é o câncer colorretal?

O câncer colorretal, em geral, é assintomático ou pode apresentar sintomas muito leves, por vezes imperceptível ao paciente, como no caso da alteração do hábito intestinal (mudança na evacuação). Porém, ainda pode englobar o sangramento anal, dores abdominais, muco nas fezes, fezes pastosas e de cor escura, perda de peso, hemorragia intestinal e até mesmo anemia – além de outros sintomas.

Quando precocemente diagnosticada, a doença tem grandes chances de cura – cerca de 90%. Segundo o médico coloproctologista Olival de Oliveira, do Instituto Mário de Abreu (IMA), se o paciente não tiver histórico familiar de câncer ou pólipos, a idade para fazer o primeiro exame de detecção do câncer colorretal é aos 50 anos. Porém, em estudo publicado na Journal of The National Cancer Institute, a incidência do câncer colorretal está atingindo pacientes mais jovens – o que deve, em futuro próximo, diminuir a idade mínima para fazer o primeiro exame de colonoscopia.

Por outro lado, se o paciente apresentar, no histórico familiar, casos de pólipos ou câncer intestinal, a colonoscopia deve ser feita 10 anos antes da idade em que o familiar mais jovem apresentou câncer. Além disso, o câncer colorretal tem correlação genética com outros cânceres que devem também ser investigados, como o câncer de mama, de endométrio, entre outros. A obesidade também é um fator que pode aumentar a incidência de câncer colorretal.

E quem tem medo de fazer o exame?

E para os pacientes ainda com receio de fazer o exame, o coloproctologista desmistifica. “A colonoscopia é um exame com baixo índice de complicações. Se realizada numa clínica de qualidade, a sedação venosa fará o paciente dormir do início ao fim do exame”, explica o médico. Hoje, mais do que nunca, é preciso conscientizar cada vez mais pessoas do perigo de não ter o câncer do cólon diagnosticado. O mês de março, por incentivo de uma campanha da empresa alemã Merck, se tornou o “Março em Cores”, ou seja, o mês da informação, da percepção e da aceitação dessa enfermidade por meio de palestras, audiências e materiais informativos. “É importante que a sociedade tenha a consciência que o exame de câncer colorretal é tão necessário quanto para o diagnóstico de qualquer outro tipo de câncer”, declara Olival.

O Instituto Mário de Abreu oferece uma clínica com médicos especializados no tratamento de câncer colorretal. Para mais informações, entre em contato com o número (41) 3232-1262 e agende sua consulta. Compartilhe essa postagem com seus familiares, amigos e conhecidos para que a mensagem possa chegar aos ouvidos de quem precisa.