Tumores renais

Atualmente cerca de 80% dos tumores renais (benignos e malignos) são diagnosticados de forma incidental, ou seja, o paciente realizou um exame de imagem por “check-up” ou outro motivo e foi detectada alguma alteração no rim.

Tumores renais benignos

São cerca de 20% das massas renais. Mais comuns são angiomiolipomas, oncocitomas, leiomiomas, nefromas e adenomas. Exceto os angiomiolipomas, os outros tumores benignos são difíceis de diagnosticar, pois apresentam características aos exames de imagem que podem confundir com tumores malignos.

Os angiomiolipomas têm características aos exames de imagem (ultrassom, tomografia, ressonância) que facilitam o seu diagnóstico. A necessidade de intervenção para a remoção destes tumores é individualizada para cada paciente e discutida com seu urologista.

Tumores renais malignos

Representam 80% das massas renais. Os tratamentos variam de acordo com o tamanho e localização dentro do rim. Atualmente, há tecnologias com baixo grau de invasão como radiofrequência e crioablação para casos selecionados. Há, também, a cirurgia poupadora de néfrons, na qual somente a parte com o tumor é retirada, podendo-se preservar o rim. Em situações onde o tumor é muito grande ou a região onde se encontra é muito central, opta-se pela retirada total do rim. Até o momento, radioterapia e quimioterapia não têm bons resultados nos casos de tumores renais.